Robótica inovadora – O Universal Robot na BMW

Robótica inovadora - O Universal Robot na BMW

Inovação na Produção – Como os robôs contribuem para o seu bem-estar.

Em todas as fábricas automóveis existem tarefas que são tipicamente efectuadas por robôs: soldadura, pintura, manipulação e montagem de componentes pesados. As linhas de montagem eram a derradeira fronteira para os robôs, pois quase todos os trabalhos requerem o toque humano. Porém, existem tarefas que são repetitivas e difíceis de executar. Estas podem agora ser realizadas por leves robôs, como o Universal Robot. Os mais recentemente desenvolvidos braços robóticos pesam pouco e só conseguem aguentar com cargas ligeiras. Ainda assim, a sua utilização resulta num menor esforço para os trabalhadores, melhorando de uma forma geral a saúde dos colaboradores.

Quando o primeiro robô da Universal Robots foi introduzido na linha que produz as portas na fábrica da BMW em Spartanburg (Alemanha), os colaboradores suspiraram de alívio. Entre as diversas tarefas dessa linha, havia uma que era particularmente impopular: instalar as capas de vedação nas portas. Para instalar uma destas capas, o colaborador colocava a capa na porta e usava uma ferramenta para aplicar força, de forma a selar firmemente a capa à porta. Obviamente que isto implicava um esforço adicional na mão e no pulso do colaborador. Então, quando o robô se encarregou de realizar esta tarefa, os trabalhadores ficaram bastante satisfeitos em deixar esta tarefa para a máquina.

 

Um novo colega robotizado

Comparado com os robôs industriais que trabalham no chassis do automóvel, o Universal Robot pode parecer pequeno. Com um alcance máximo de apenas 1300mm e uma capacidade de carga máxima de 10kg, é pequeno o suficiente para trabalhar lado-a-lado com os operadores, mas poderoso o suficiente para executar tarefas monótonas e fisicamente exigentes. Claro que a segurança é a prioridade máxima: o Universal Robot opera sem vedação e fica livre ao lado dos operadores. De forma a conseguir-se isto, o robô tem de estar constantemente a monitorizar diversos parâmetros de segurança. Se algum problema for detectado, o robô pára imediatamente. Assim que o problema for resolvido, o robô resume a sua atividade e arranca a partir do local onde parou.

 

 

A história da robótica – Um novo conceito

A história da robótica começou no anos 60, quando foi instalado o primeiro braço mecânico para levantar peças quentes de metal de uma máquina de fundição. Desde então, as máquinas mudaram imenso. Nos dias de hoje, os robôs são usados sobretudo em ambientes perigosos para fazer soldadura, manipulação ou pintura. A fábrica da BMW é um exemplo disso: tanto as linhas do chassis como as da pintura são totalmente automatizadas de forma a conseguir-se uma qualidade constante. Até recentemente, estes eram os únicos locais onde os robôs auxiliavam a produção. Agora, um novo desenvolvimento mudou tudo.

Quando os engenheiros da produção da BMW começaram a testar estes leves robôs poucos anos atrás, eles já trabalhavam à imensos anos com os tradicionais robôs industriais. Contudo, estes pequenos braços robóticos eram diferentes. Estes braços eram leves, flexíveis e mais fáceis de programar do que os tradicionais robôs industriais. Mais importante que tudo, eles tinham o potencial de ir para além do limite final da robótica na produção automóvel: serem capazes de trabalhar na linha de montagem final. Assim, os engenheiros da BMW em Spartanburg juntaram-se aos engenheiros da BMW Group Research e aos do Centro de Inovação de Munique e começaram a analisar onde os novos robôs poderiam melhorar a qualidade e assumir as tarefas mais difíceis. Para satisfação dos colaboradores, esse local seria a linha das portas. Desde então, passados dois anos de testes e desenvolvimento, os robôs inovadores dão uma “mãozinha” – equipada com uma roda de decalque – aos seus colegas humanos.

Existem várias tarefas na indústria automóvel para os leves robôs UR: instalação de juntas, aplicação de cola ou colocação de tampões de vedação. Todas estas tarefas que implicam um esforço nos humanos serão provavelmente assumidas pelos novos colegas de trabalho automáticos. Instalação dos vidros, manipulação de partes pesadas dos chassis ou aplicação de cola – existem inúmeras oportunidades para ajudar mais de 8000 colaboradores na fábrica de Spartanburg a manterem-se saudáveis.

 

A Tecnologia da Sustentabilidade

O compromisso do Grupo BMW em relação à sustentabilidade não fica somente pela redução de emissões e pelo uso de energias renováveis para as fábricas com muito consumo. Ser um empresa sustentável também significa tomar conta do bem mais precioso que qualquer empresa tem: os seus trabalhadores. Os robôs da Universal Robots são uma expressão desta ideologia.

Há vários exemplos do compromisso do Grupo BMW em relação à ergonomia na fábrica de Spartanburg. Desde os pavimentos em madeira para reduzir a tensão nos tornozelos até aos assentos inovadores que permitem aos trabalhadores instalarem os componentes interiores do automóvel enquanto estão sentados. As soluções ergonómicas estão profundamente incorporadas nos processos produtivos da fábrica.

O Grupo BMW ambiciona minimizar o impacto que a produção tem na saúde dos seus trabalhadores. A empresa continuará a a reduzir os processos que causem um esforço acrescido, seja pela implementação de robôs inovadores ou por soluções ergonómicas para o local de trabalho.